23º Concours International de Jeux de Société de Boulogne-Billancourt

O ano de 2004 foi muito especial. Foi nesse ano que eu, Fabiano Onça, junto com outros dois amigos, venci pela primeira vez o Concurso Internacional de Criadores de Jogos de Boulogne-Billancourt, considerado por muitos o torneio mais importante de game design da Europa.

O jogo vencedor chamava-se “Waka-Waka Island”, uma criação que eu havia bolado muitos anos atrás (mas que tinha deixado guardado no baú). O jogo passava-se numa ilhota do Pacífico Sul, que era, turno a turno, destruída por deuses inclementes (os jogadores). O objetivo era terminar a partida com o maior número possível de seguidores no pedaço da ilha que tinha permanecido de pé. E um dos twists mais bacanas do jogo estava no fato de que nenhum jogador sabia ao certo quais eram as cores dos seguidores dos outros jogadores, o que gerava momentos hilários durante o jogo.

 

WakaWaka

Primeiro protótipo de trabalho, antes do envio para o torneio na França.

O mesmo jogo, agora rebatizado de Vineta, em sua edição para a Winning Moves, publicada na Alemanha.

Capa do mesmo jogo, na versão polonesa. Para essa edição, o jogo foi rebatizado como “Atlantyda”.

 

Mais do que conquistar um prêmio dessa expressividade, ter vencido trouxe uma convicção íntima de que estava no caminho certo. De que ter abandonado minha antiga profissão (jornalismo) para viver de jogos tinha valido a pena. E de que aqueles “velhos projetos delirantes” não eram tão delirantes assim.

 

Por que este torneio é importante?

O “Concours International de Créateurs de Jeux de Société” de Boulogne-Billancourt, promovido pela ludoteca de Paris, é um dos mais prestigiados concursos de game design de toda a Europa. A razão de sua fama está tanto na acirrada competição (participam 200 criadores de jogos do mundo todo) quanto nas rígidas regras do torneio.

Primeiro, os autores dos jogos são mantidos anônimos, para que não haja nenhum tipo de privilégio. Durante as diversas fases eliminatórias, os jogos são submetidos a diferentes juízes, que examinam e reexaminam as regras. Depois, nas fases subsequentes, as equipes de playtest testam os jogos diversas vezes, atribuindo notas a cada partida. O procedimento é feito até que, dos duzentos jogos iniciais, restem apenas dez finalistas.

Estes finalistas são então submetidos a uma avaliação final, por um júri composto de notáveis vindos de toda a Europa. Durante um final de semana, isolados num hotel, os membros da banca testam os jogos e, no domingo à tarde, anunciam a decisão final, no Palais du Jeu, diante de uma platéia formada por editores de jogos, outros criadores e diferentes tipos de fãs. O concurso é famoso por ter revelado alguns dos maiores criadores de jogos em atividade, como Bruno Faidutti, Serge Laget, Roberto Fraga e outros.